Blog do Desemprego Zero

DÓLAR FRACO AMEAÇA ECONOMIA NORTE-AMERICANA

Posted by Leonardo Nunes em 28 março, 2008

Léo Nunes – Paris – O diário francês Le Monde destaca uma reportagem que trata do enfraquecimento da moeda reserva de valor do sistema capitalista: o dólar (clique aqui para ler a reportagem). A moeda norte-americana atingiu o seu nível mais baixo, em relação a outras divisas, nos últimos 35 anos. O jornal parisiense destaca a opinião de muitos economistas segundo os quais não se poderá restabelecer a plena confiança na moeda ianque.

Como diria o velho filósofo alemão, a História se repete como farsa. Esta não é a primeira vez que a moeda reserva de valor é questionada pelo mercado financeiro. Na década de 1970, com a crise do petróleo, o colapso do regime de Bretton Woods e a criação dos euromercados, muitos apostavam na derrocada do dólar.

Entretanto, o então presidente do Federal Reserve Bank (o Banco Central dos EUA), Paul Volcker, aumentou repentinamente a taxa básica de juros norte-americana. O dólar valorizou-se rapidamente, os fluxos de capitais fluíram em direção aos títulos de dívida do Tesouro americano e os países periféricos, já endividados, ficaram a ver navios, sem fluxos de dólar e sem liquidez internacional. O resultado foi a quebradeira geral da década de 1980, com moratória e superinflação.

Portanto, não há porque crer que o FED vá abrir mão da diplomacia do dólar forte, se necessário. O mundo de hoje é certamente diferente de outrora. Os mercados financeiros estão liberalizados, os regimes cambiais são flutuantes, a formidável expansão do mercado de derivativos e de sofisticados produtos financeiros torna mais difícil a supervisão da atividade financeira e o grau de alavancagem das operações aumentou significativamente, o que resultou numa correlação de forças entre Estado e mercado que pende mais para o segundo lado.

Não obstante, o governo norte-americano sabe o que representa ser o emissor da moeda reserva de valor do sistema. Mais do que importante economicamente, tal trunfo representa uma arma política. Se, por um lado, é sabido que as condições de intervenção são mais difíceis nos dias de hoje, por outro lado, não se pode subestimar a capacidade de autodefesa da maior potência global. Afinal, dinheiro é poder e poder é dinheiro.

Clique aqui para ler nosso manifesto.

Leonardo Nunes:  Mestre em Economia pela Unicamp e doutorando em Economia pela Universidade Paris-1 Pantheon-Sorbonne. Correspondente do Dezemprego Zero na capital francesa. Meus Artigos

Anúncios

4 Respostas to “DÓLAR FRACO AMEAÇA ECONOMIA NORTE-AMERICANA”

  1. ROBSON SILVA said

    Qdo uma moeda centralizadora das relações de capital, investimentos, referencial para débitos e créditos, ou transações transnacionais impacta uma tendência de desvalorização internacional, diminuindo a força do Estado em contrapartida do mercado internacional, certamente ocorrerá a coalizão de forças dominantes no Mercado para fortalecerem seu interesses finaceiros e de poder. Sob esta ótica, tal coalizão administrada por brilhantes economistas a serviço de determinados poíses interessados em enfraquecer a economia com eventos focalizados, tipo, apoio internacional para fortalecimento do Euro., acordo de produtores para efetiva negociação de reservas internacionais e comercio de petroleo ou derivados energéticos em euro, entre outras estratégias, juntamente com um conjunto de eventos negativos decorrentes da deficiente administração Jorge W. Bush, seria, fortes sinais para o previsto e esperado evento de queda do império americano e sua supermacia mundial? Este conjuntos de eventos merece uma avaliação de tendências de cenários econômicos e políticos possíveis de ocorrência no Século XXI. Gostaria de contar com sua opinião.
    Atenciosamente.
    Eng. Robson Silva, M. Eng.
    Florianópolis, SC.
    28/03/2008

  2. Joao Bastos said

    Besteira. Eh soh o Fed colocar os fed funds nos 10 por cento que o mundo inteiro cai de joelhos adorando o dolar.

  3. Caro João,

    Não acho que seja tão simples por dois motivos: (i) um aumento das taxas de juros dos EUA podem ter efeitos nefastos na eocnomia mundial. Além disso, estamos em ano eleitoralpor lá… ; (ii) muitos economistas questionam hoje a capacidade de intervenção da autoridade monetária. Não estamos mais em 1979. A capacidade de ação do BC frente ao giro do mercado é menor. Os instrumentos de derivativos criam mais complicações ainda, etc.

  4. Heldo Siqueira said

    João,

    o aumento repentino das taxas de juros foi exatamente o que provocou a crise de 29. O que o Friedman chamou de uma violenta contração monetária.

    Com certeza eu duvido que os EUA queiram um repeteco.

    Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: