Blog do Desemprego Zero

O Poder dos Pesadelos (The Power Of Nightmares) – A Ascensão da Política do Medo: Parte I

Posted by Beatriz Diniz em 31 março, 2008

Documentário em três episódios produzido pela BBC, trata sobre a subida dos neoconservadores e dos fundamentalistas islâmicos ao poder.

Episódio 1: “Está Frio Lá Fora, Baby”

O primeiro episódio faz uma análise histórica de como, enquanto os neoconservadores estadunidenses criavam a fantasia de um império maligno que ameaçava o mundo livre (a União Soviética), no mundo árabe, os fundamentalistas islâmicos difundiam a idéia de que o individualismo e o egoísmo liberal do Ocidente constituíam um perigo para a integridade das sociedades muçulmanas.

Duração: 59:01minutos

Legenda: Português-Brasil

PARA ASSISTIR DOCUMENTÁRIO COMPLETO: CLIQUE AQUI

Anúncios

2 Respostas to “O Poder dos Pesadelos (The Power Of Nightmares) – A Ascensão da Política do Medo: Parte I”

  1. […] EPISÓDIO 1: “ESTÁ FRIO LÁ FORA, BABY” (CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR) […]

  2. Eduardo Kaplan said

    Apenas vendo o primeiro episódio, é possível ter noção do brilhante trabalho da BBC! Mostra a criação e evolução do pensamento neoconservador que guia os EUA há tanto tempo, com os mesmos arautos – Paul Wolfowitz, Dick Cheney… A narrativa desse primeiro episódio é realmente enriquecedora, principalmente ao mostrar a aliança, no início da década de 80, entre os neocons (até então, um bando de intelectuais sem base política consistente) e os fundamentalistas cristãos (até então, um grupo de milhões de cidadãos, mas politicamente inexpressivo, pois estavam ausentes das eleições).

    No entanto, acho que o documentário possui dois pontos para serem melhor tratados:

    1) Despolitiza movimentos terroristas islâmicos: seriam ideólogos em uma luta de “choque de civilizações”, contra “valores ocidentais que corrompem (ou corromperão) a sociedade islâmica”. Acredito ser um reducionismo próprio de uma visão liberal inglesa. Não me arrisco a apontar todos argumentos de terroristas, mas não acho que se reduzam à dimensão ideológica.

    2)O documentário despolitiza o próprio conflito entre Estados com pretensão imperialista. A visão neoconservadora pode ter sido extremamente útil na política externa norte-americana, mas não é possível explicar a Guerra Fria (e a tentativa de prorrogá-la) exclusivamente a partir de “necessidade de formar o mito da nação norte-americana”, forjando um “conflito entre Bem e Mal”. Acho que o argumento central é que houve uma necessidade de expandir a área de influência norte-americana pelo globo, e o bloco comunista representava, de fato, um bloqueio à pretensão hegemônica. A Guerra Fria e seus incontáveis conflitos secundários foram fruto de disputa entre poderes estatais expansivos, sendo que a idéia neconservadora de trazer coesão à sociedade norte-americana foi um fator secundário.

    Minha segunda crítica tem a ver com o fato de que poderiam ser escolhidas diversas outras forma de trazer coesão aos EUA. O projeto de Pleno Emprego do New Deal de Roosevel é um dos exemplos.
    No entanto, não há (nem parece ter havido na história) um exemplo de resolver disputas de países com pretensões hegêmônicas fora da Guerra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: