Blog do Desemprego Zero

BNDES quer financiar mais projetos no NE

Posted by Beatriz Diniz em 17 abril, 2008

O BNDES através de uma política de Arranjos Produtivos Locais pretende ampliar desembolsos no nordeste.

Por Katia Alves

Publicado no: Valor

Por Chico Santos

O BNDES vai usar o complexo industrial de Suape, em Pernambuco, como piloto de uma nova estratégia de financiamentos, que tem entre os objetivos principais ampliar a fatia dos desembolsos do banco estatal destinada à região Nordeste. A área está recebendo uma refinaria de grande porte da Petrobras (em parceria com a venezuelana PDVSA) e um estaleiro para grandes navios, de um consórcio liderado pelas construtoras Camargo Corrêa e Queiróz Galvão, além de projetos petroquímicos. Outro projeto com o mesmo objetivo vai apoiar a integração de arranjos produtivos locais (APLs) na calha do rio São Francisco, entre os Estados de Sergipe e Alagoas.

Os dois projetos estão sob a coordenação da Secretaria de Arranjos Produtivos e Desenvolvimento Local, criada pelo presidente do banco, Luciano Coutinho, e vinculada diretamente a ele. A secretaria foi confiada à economista Helena Lastres, especialista no tema, pinçada dos quadros da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para ajudar Coutinho a aumentar a presença nordestina nos recursos do banco. A secretaria coordena o Comitê de Arranjos Produtivos e Desenvolvimento Regional do banco, que realizou semana passada reunião para tratar do assunto.

Suape fica no município de Ipojuca, na região metropolitana de Recife, e já conta com um complexo portuário e vários projetos industriais. Ao mesmo tempo, a capital pernambucana e seu entorno convivem com um dos maiores bolsões de pobreza urbana do país, em grande parte atraído pelos investimentos industriais lá existentes.

A nova proposta do BNDES é de não limitar os financiamentos aos grandes projetos que estão chegando, mas identificar oportunidades de ajudar com o desenvolvimento de outras atividades econômicas, desde o fornecimento de insumos até a prestação de serviços de todas as naturezas. As primeiras decisões concretas deverão ser anunciadas oficialmente no dia 9 de maio. Está prevista para o mesmo dia, na sede do banco, no Rio, uma reunião de secretários de Planejamento do Nordeste, para apresentar sugestões sobre como ampliar os recursos do BNDES para a região.

Historicamente, o Nordeste, segunda região mais populosa do país, recebe por ano menos de 10% dos desembolsos do BNDES, principal agência de financiamentos de longo prazo do país. Em 2006 a participação foi de 9,42% e em 2007, 8,20%. Ainda assim, como os empréstimos do banco cresceram fortemente nos últimos dez anos (de R$ 18,99 bilhões, em 1998, para R$ 64,89 bilhões em 2007), a participação absoluta do Nordeste no bolo quase triplicou no período, de R$ 1,87 bilhão para R$ 5,32 bilhões.

“Há uma história enorme no BNDES de tentativas de solucionar isso. Eu recuperei essa história. O que o Luciano (Coutinho) coloca é que, toda vez que aqui no banco se pergunta a razão pela qual não cresce (a participação nordestina), invariavelmente, a resposta é: não existe demanda. A primeira vez que ouvi essa resposta, não só não acreditei, como não admiti”, disse Helena ao Valor. Segundo ela, cabe ao banco desenvolver capacidade de identificar oportunidades e de formular propostas para a região.

Os estudos da equipe criada por Coutinho para estudar a melhoria da distribuição regional dos recursos do banco mostraram que dentro da própria região Nordeste há também enorme assimetria. Os Estados do Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e Sergipe, juntos, receberam no ano passado menos de 10% (9,41%) dos recursos do BNDES para o Nordeste, enquanto a Bahia ficou com 51,85% e Pernambuco, 24,80%.

A primeira tentativa de começar a modificar também a desigualdade intra-regional vai acontecer nos Estados de Sergipe e Alagoas, mais precisamente na faixa dos dois Estados separada pelo rio São Francisco. Com a ajuda dos governos, empresários e comunidades locais, o BNDES e seus parceiros – já estão certos o Banco do Nordeste do Brasil (BNB), o Sebrae e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) – vão estudar os APLs já existentes na região, alguns apoiados por esses mesmos parceiros, e buscar formas de adensar esses arranjos e integrá-los.

Segundo Helena, a tentativa será de criar uma rede de desenvolvimento econômico integrando projetos culturais com pólos de turismo, de construção de pequenas embarcações, de confecções, artesanato, apicultura e assim por diante. A busca da inovação, a partir dos conhecimentos locais, será uma das marcas da iniciativa. O banco usará para isso suas políticas operacionais, seja via financiamentos indiretos, seja com empréstimos de caráter social ou, até mesmo, via participação acionária para viabilizar empreendimentos.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: