Blog do Desemprego Zero

Investimet Grade não era esperado para agora, segundo Estadão

Posted by Beatriz Diniz em 7 maio, 2008

Em bancos e consultorias em Wall Street, agitação e euforia :: TXT Estado
www.estado.com.br/editorias/2008/05/01/eco-1.93.4….

Em bancos e consultorias em Wall Street, agitação e euforia

Em uma instituição de Nova York, funcionários abriram champanhe

Patricia Campos Mello

Foi um dia de euforia e surpresa em bancos de investimentos e consultorias americanas que trabalham com o Brasil. “As pessoas começaram a berrar. Saiu o investment grade do Brasil, saiu o investment grade do Brasil!”, contou um operador de banco em Nova York. Em uma consultoria, o telefone tocou 10 vezes em menos de cinco minutos. Todas as ligações eram de clientes que queriam saber o impacto da promoção. Em um banco americano, os funcionários abriram uma champanhe para comemorar.

“Ninguém esperava que o grau de investimento fosse sair agora, a aposta é de que viria no fim do ano ou início do ano que vem”, disse Vitória Saddi, economista que coordena a área de América Latina na consultoria RGE Monitor, de Nova York.

Segundo Arturo Porzecanski, professor de Finanças Internacionais na American University, desde que o Brasil se tornou credor internacional, ao menos em algumas medidas, começou a se especular sobre a promoção a grau de investimento. Mas ninguém esperava que fosse ocorrer agora, no meio da crise global de crédito.

Ricardo Amorim, chefe de pesquisas para América Latina do banco West LB, acredita que a redução nos spreads (quanto o Brasil precisa pagar a mais de juros, em comparação com títulos americanos) não será significativa, porque a promoção já estava parcialmente “precificada”, ou seja, os investidores já embutiam nos preços a iminente promoção.

Para Amorim, o maior impacto será na atração de investimentos estrangeiros diretos, a médio prazo, além da grande valorização do Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa).

Thomas Trebat, diretor do Centro de Estudos do Brasil da Universidade Columbia, comemorou o grau de investimento, mas demonstrou certa cautela. “Fiquei surpreso pelo timing, conceder o grau de investimento bem no meio de um ciclo econômico que está prestes a virar”, disse.

“O boom econômico brasileiro não vai durar para sempre; por causa da crise mundial, haverá queda nos fluxos de capital e nos preços das commodities, e o País voltará a ter déficit em conta corrente. A melhora foi um reconhecimento do esforço de política econômica dos últimos 12 anos, mas precisamos ver como o País vai reagir ao ambiente menos amistoso dos próximos tempos.”

O economista Eugenio Alemán, do Wells Fargo, disse que “já estava esperando a obtenção do grau investimento” pelo País, pois “as políticas têm avançado”. “A evidência mais recente disso, que ajudou a obtenção do grau de investimento, foi a manifestação de comprometimento do Banco Central em manter a inflação contida”, disse, ao se referir à decisão do BC de elevar a taxa Selic para 11,75% ao ano.

 

Anúncios

2 Respostas to “Investimet Grade não era esperado para agora, segundo Estadão”

  1. […] Investimet Grade não era esperado para agora, segundo Estadão […]

  2. […] AO BNDES E A… em Por que o Brasil ainda é um d…ATAQUES AO BNDES E A… em Investimet Grade não era espe…Bruno em DILMA ARRASA A OPOSIÇÃOHeldo Siqueira em ATAQUES AO BNDES, INVESTMENT […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: