Blog do Desemprego Zero

Mais etanol e mais alimento

Posted by Beatriz Diniz em 15 maio, 2008

Segundo o ministro, Reinhold Stephanes, o biocombustível não é o principal culpado para o aumento de preços, como apontou o relator das Nações Unidas para o Direito à Alimentação, Olivier de Schutter. Além disso, a expansão da plantação de cana-de-açúcar para a produção de etanol, de acordo com o ministro, não ocupará terras destinadas ao plantio de alimentos.
Por Luciana Sergeiro

Publicado em: Carta capital

Por: Filipe Coutinho

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, foi nesta quarta-feira (14) ao Senado para explicar o posicionamento do governo brasileiro em relação à crise mundial na produção de alimentos. Segundo o ministro, o biocombustível não é o principal culpado para o aumento de preços, como apontou o relator das Nações Unidas para o Direito à Alimentação, Olivier de Schutter. Além disso, a expansão da plantação de cana-de-açúcar para a produção de etanol, de acordo com o ministro, não ocupará terras destinadas ao plantio de alimentos.

A exposição do ministro da Agricultura aconteceu em audiência pública realizada em conjunto pelas comissões de Agricultura e Relações Exteriores do Senado. Stephanes argumentou que é a primeira vez, desde a década de 1970, que a economia mundial cresce de maneira contínua. Como conseqüência, as pessoas consomem mais e o agronegócio ainda não conseguiu acompanhar as novas demandas. E no Brasil, segundo o ministro, a inflação dos alimentos verificada nos últimos meses será controlada e ficará estável até 2009.

Além de falar sobre a crise mundial, Stephanes respondeu às críticas da comunidade internacional em relação à produção de biocombustível. O ministrou admitiu que o etanol pode pressionar o preço dos alimentos, mas defendeu que não é o caso da tecnologia brasileira, baseada na cana-de-açúcar.

Para Stephanes, parte das críticas é motivada por compararem o etanol brasileiro ao americano, feito a partir do milho. “Quem critica o nosso etanol não conhece a realidade brasileira. O crescimento da produção de cana acontece principalmente em áreas degradadas de pastagem”, disse o ministro. “O Brasil é um dos poucos países que conseguiu suportar o crescimento da demanda interna por comida e produzir excedentes para exportação”, completou. Segundo Stephanes, o crescimento de cana deverá ocupar 3 milhões de hectares de um total de 200 milhões de hectares de terras de pastagem.

O presidente da comissão de Agricultura, senador Neuto de Couto (PMDB-SC), afirmou que o investimento em novas tecnologias pode ser uma solução para aumentar a produção de energia sem prejudicar outras plantações. “Só no bagaço e na palha da cana temos uma Itaipu adormecida nos canaviais”, disse.

Na audiência púbica, também foi consenso que parte das críticas ao biocombustível brasileiro acontece por protecionismo de governos da Europa e Estados Unidos. Para o senador Aloizio Mercadante (PT-SP), o governo brasileiro deve concentrar esforços na rodada de Doha da Organização Mundial do Comércio. “É preciso focar o debate nos subsídios praticados pelos países ricos. É isso que impede que a agricultura de outros países tenha competitividade e por isso exportem menos”, defendeu.

No mesmo sentido, o diretor do departamento de energia do ministério das Relações Exteriores, ministro André Corrêa do Lago, criticou a postura do mercado internacional em relação à tecnologia brasileira. “Há um certo preconceito neocolonialista de que Estados Unidos e Europa saberiam melhor o que os outros países devem fazer”, disse.

As críticas das Organizações das Nações Unidas (ONU) em relação aos biocombustíveis se agravaram em abril, quando o então relator para o Direito à Alimentação, Jean Ziegler, culpou o etanol pela crise na produção de alimentos. Ao fazer um balanço do mandato, Ziegler classificou o etanol de “um crime contra grande parte da humanidade”. O novo relator, Olivier de Schutter, empossado em maio, manteve o discurso e sugeriu que todos os investimentos na área fossem congelados. Tanto Schutter quanto Ziegler defendem que os agricultores deixar de plantar alimentos para obter mais lucros com os biocombustíveis

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: