Blog do Desemprego Zero

Implantação do trem-bala não deve ocorrer antes das Olimpíadas

Posted by Beatriz Diniz em 16 maio, 2008

A implantação do trem-bala dependerá do licenciamento ambiental e do tempo de negociação do contrato. Além da necessidade do apoio do Governo. O BNDES está elaborando o traçado do trem e das estações e vai dizer que tipo de apoio o Governo pode oferecer.

Por: Luciana Sergeiro

Publicado em: JB Online

Por: Débora Motta

Em seminário realizado nesta quinta-feira em Ipanema, no Rio, para apresentar o modelo de trem-bala do Japão para o Governo e empresariado cariocas, o secretário de Transportes, Julio Lopes, perguntou aos empresários japoneses se seria possível construir o trem de alta velocidade, para interligar o eixo Rio-São Paulo, antes das Olimpíadas.

– Essa é uma pergunta bastante sensível. Depende de fatores como a desapropriação de imóveis para a construção do trem-bala, de licenciamento ambiental e do tempo de negociação do contrato. Entretanto, a construção do trecho Tóquio-Osaka do trem de alta velocidade no Japão levou cinco anos – disse Masao Susuki, vice-presidente da empresa de consultoria Mitsui Brasileira.

Suzuki acredita que o projeto deve ser construído em parceria público-privada.

– Um projeto desse porte tem que ter o apoio do Governo também. Não é viável apenas para a iniciativa privada, seria até irresponsável. A desapropriação, por exemplo, é uma tarefa do Governo – ressaltou o executivo. – O BNDES está elaborando o traçado do trem e das estações e vai nos falar que tipo de apoio o Governo pode nos oferecer. Só depois vamos nos planejar em termos de valores. Mas a obra deve ultrapassar US$ 11 bilhões.

Para o secretário dE Transportes, caso o Brasil seja sede dos Jogos Olímpicos de 2014, os incentivos para a construção do trem-bala serão mais rápidos.

– Se nós sediarmos as próximas Olimpíadas, o impulso de colaboração com o projeto será mais fácil – ponderou Lopes. – Porém, o trem-bala virá cedo ou tarde porque a sociedade tem necessidade dessa mobilidade.

Ainda não há prazo para o licenciamento das obras. Segundo Lopes, ele esbarra na “engenharia política” do país.

– O licenciamento depende de propostas e do estabelecimento de critérios pelo Governo Federal. Envolve um comum acordo entre os Governos de São Paulo e Rio de Janeiro, além do Governo Federal – disse o secretário.

Além da Mitsui Brasileira, participaram do encontro as principais fabricantes de material ferroviário do Japão, entre elas Kawasaki, Toshiba e Mitsubishi.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: