Blog do Desemprego Zero

Mangabeira defende pecuária intensiva em áreas devastadas

Posted by Beatriz Diniz em 22 maio, 2008

Coordenador do Plano Amazônia Sustentável, o ministro Mangabeira Unger, acredita na necessidade de um “plano estratégico” para a Amazônia, que englobe a intensificação da pecuária nas áreas que já sofreram desmatamento, a fim de incrementar a atividade produtiva na região, e o emprego de financiamentos externos para projetos de preservação e desenvolvimento locais.

Segundo Mangabeira, é preciso gerar oportunidades econômicas para a população local e não olhar a Amazônia apenas como uma “coleção de árvores”. Sem tais oportunidades, a população tende à prática de atividades econômicas ambientalmente degradantes. Promover o crescimento econômico da região é fundamental nesse sentido. Isso exige a promoção de atividades econômicas sustentáveis para cerca de 25 milhões de pessoas que habitam a região amazônica…

* Por Elizabeth Cardoso, editora e coordenadora de conteúdo

Publicado originalmente na Folha de São Paulo (restrito a assinantes)

Folha de S. Paulo – 21/05/2008

Por Rodrigo Vargas, da Agência Folha, em Cuiabá

Mangabeira se diz favorável à ampliação de mecanismos de fundos internacionais para financiar preservação e ações de desenvolvimento

Ministro elogia governador mato-grossense e diz que “Amazônia não é apenas coleção de árvores”, mas grupo de 25 mi de pessoas

O ministro Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos), responsável pela coordenação do PAS (Plano Amazônia Sustentável), defendeu ontem a necessidade de um “plano estratégico” para a Amazônia que incluiria a “intensificação da pecuária” nas áreas já desmatadas da região e o uso de financiamentos internacionais para a preservação. A manifestação do ministro foi feita logo após seu encontro, em Cuiabá, com o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR).

“A Amazônia não é apenas uma coleção de árvores, mas um grupo de pessoas. Nela vivem mais de 25 milhões de brasileiros. Se essas pessoas não tiverem oportunidades econômicas, serão impelidas a uma atividade desordenada que levará ao desmatamento”, disse o ministro, cuja nomeação para o PAS foi apontada como um dos motivos da saída de Marina Silva da pasta do Meio Ambiente.

Sobre Maggi, Mangabeira disse que o encontro mostra o “compromisso sagrado” de ambos na busca pela “reconciliação entre desenvolvimento e preservação”. “É preciso lembrar que Mato Grosso não é apenas Amazônia, é também Centro-Oeste. E desempenha um papel exemplar na construção da agricultura brasileira. É um dos dínamos agrícolas, não só do Brasil, mas do mundo.”

Segundo o Inpe, Mato Grosso foi o Estado que mais devastou a Amazônia nos últimos cinco meses de 2007 – na lista dos 36 municípios que mais desmatam a floresta, 19 são mato-grossenses. Para o ministro, porém, não é hora de “atribuir culpas ou medalhas”.

Ao enumerar os pontos principais de seu plano para a região, citou a regularização fundiária. “A partir daí será possível estabelecer um grande zoneamento econômico e ecológico para a região, definindo estratégias para a Amazônia com floresta e sem floresta.”

Nas áreas “sem floresta” – definidas por ele como “áreas de transição entre a Amazônia e o cerrado”, defendeu o incentivo a uma agricultura “moderna e democratizada”. Ele se disse favorável à ampliação dos mecanismos que prevêem fundos internacionais para financiar preservação e projetos de desenvolvimento.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: