Blog do Desemprego Zero

Resistir às pressões inflacionárias

Posted by Beatriz Diniz em 30 maio, 2008

Segundo Delfim Netto, o Banco Central precisa ter uma noção muito clara se estamos diante de um processo de inflação ou se estamos diante apenas de uma alteração de preços relativos. A inflação exige uma causa permanente, um crescimento de demanda continuado, o que não é o caso.

*Katia Alves, editora

Publicado originalmente no DCI

Por Antônio Delfim Netto

O Brasil, como qualquer outra economia, recebe pressões inflacionárias. Nesse momento, se quisermos comparar com outros parceiros de porte parecido como a Rússia, a Índia e a China, estamos numa situação um pouco melhor, pois temos uma política fiscal razoável e uma política monetária que acompanha rigorosamente a meta de inflação. A pressão existe no mundo inteiro e se acentuou nos últimos meses, mas ninguém, até agora, que eu saiba, abandonou o sistema de metas de inflação.

No nosso caso, a meta de 4,5% tem margens de 2% acima e 2% abaixo, de forma que ela pode flutuar entre 2,5% e 6,5%. O objetivo do Banco Central deve ser fazer convergir a meta para os 4,5% num prazo de 18 ou 24 meses. O importante é que a meta não escape do intervalo previsto.

O que está ameaçando esse objetivo é a espécie de cabo-de-guerra que se estabeleceu entre Fazenda e Banco Central, cada um querendo mostrar que tem mais poder que o outro – e essa excitação favorece as expectativas de inflação e ajuda a criar o clima favorável à elevação dos juros.

Por conta disso, o ambiente de negócios começa a ficar intranqüilo, investimentos são postergados, há uma redução de demanda de alguns produtos e sente-se que algumas empresas passam a usar os seus estoques e deixam de aumentar a produção.

Podemos ter uma situação complicada porque a alta da taxa de juros vai aumentar a despesa do governo com a sua dívida interna que já é de 47% do PIB. Quer dizer, o custo do governo cresce ao mesmo tempo em que a desaceleração da atividade econômica faz cair a arrecadação. É o caminho para o pior dos mundos: custos em alta e receita em queda levam ao desequilíbrio fiscal em um prazo muito curto.

O Banco Central precisa ter uma noção muito clara se estamos diante de um processo de inflação ou se estamos diante apenas de uma alteração de preços relativos. A inflação exige uma causa permanente, um crescimento de demanda continuado, o que não é o caso. O que existe de verdade é um crescimento das expectativas um tanto forçado na direção do aumento da inflação. No momento, o mais correto seria manter tudo como está: a meta de 4,5% é bastante razoável, pode ser atingida sem grandes turbulências porque acomoda os atritos institucionais que existem na economia brasileira, como ficou demonstrado nos últimos dois anos, em que o PIB cresceu bem e a inflação se manteve nos patamares prometidos.

Não é preciso ficar procurando desvios para que a meta não se afaste do núcleo. O ideal é não mexer em nada agora e aguardar um pouco mais o comportamento dos preços, porque não existem fatores que justifiquem a quase-histeria que se formou por causa dos tremores externos que ao final já vão arrefecendo. E que na verdade não têm mesmo a ver com pressões de inflação, mas sim com o descontrole que tomou conta de uma parte do sistema bancário no primeiro mundo, que, cegado pela ganância, ignorou os mais simples princípios de segurança nos empréstimos hipotecários.

Custos em alta e receita em queda levam ao desequilíbrio fiscal em um prazo muito curto.

         

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: