Blog do Desemprego Zero

Sucesso econômico de Lula cria novos desafios para o Brasil

Posted by Beatriz Diniz em 19 maio, 2008

O crescimento do PIB em 2007 permitiu vários avanços, foram criadas, entre 2003 e 2007, mais de 6 milhões de empregos formais,  sendo que só em 2007 foram gerados 1,6 milhão de novos empregos. Os trabalhadores viram, em 2008, o salário mínimo chegar a R$ 415, assim como conseguiram aumentos reais na maioria das negociações, além de que mais de 20 milhões de pessoas deixaram a linha da miséria e da pobreza. Espera-se que em 2008 possam ser repetidos os mesmos pontos positivos alcançados até 2007.

Por Luciana Sergeiro 

Publicado em: Agência Carta Maior

Por: Antonio Biondi  

Para presidentes da CUT e Ipea, professores e dirigentes sindicais, o Brasil está diante de uma chance histórica de crescimento qualificado; momento é chave para adoção de medidas que garantam um desenvolvimento com diminuição da pobreza e da desigualdade. Carta Maior começa a publicar nesta segunda-feira uma série de reportagens sobre o tema realizadas por Antonio Biondi.

O Brasil comemora notícias positivas na sua economia. O crescimento do PIB em 2007, de 5,4% permitiu vários avanços – e pode se repetir em 2008. Foram criadas, entre 2003 e 2007, mais de 6 milhões de empregos formais (novas vagas com carteira-assinada), sendo que 2007 estabeleceu o recorde a ser quebrado: 1,6 milhão de novos empregos.

Nos últimos dias, o país lançou uma ambiciosa proposta de política industrial – o Plano de Desenvolvimento Produtivo – e obteve o investment grade de parte de uma agência de classificação de risco, que colocou o Brasil no grupo dos bons pagadores mundiais – e portanto recomendável para novos investimentos (especulativos e produtivos) com menores riscos. E os trabalhadores viram o salário mínimo chegar a R$ 415 em 2008, assim como conquistaram aumentos reais em nada menos que 88% das negociações com seus patrões em 2007. Por fim, em uma das notícias mais comemoradas nos últimos anos, 20 milhões de pessoas deixaram a linha da miséria e da pobreza desde 2003, saindo das classes D e E, fazendo da classe C a mais numerosa e representativa do país.

Por outro lado, questões estruturais seguem inabaláveis nos rumos do Brasil. Os 10% mais ricos da população brasileira concentram nada menos que 75% de toda riqueza produzida pelo país. E a luta pela valorização do trabalho, diminuição da desigualdade e geração de renda para os brasileiros se vê enfraquecida, em boa parte, pelos altos juros praticados no país e pelos setores que mais se beneficiam dessas taxas. Basta lembrar que, na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) de abril, a taxa básica de juros da economia subiu de 11,25% para 11,75%. É uma das maiores taxas do mundo em termos reais, já descontada a inflação.

No mês do trabalhador, Carta Maior entrevistou os presidentes do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), Márcio Pochmann, e da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Artur Henrique, a fim de compreender a origem e significado das últimas conquista sociais e econômicas. E buscou apontar os novos desafios colocados pelo cenário ímpar vivido atualmente pelo Brasil. Para os entrevistados, o país está diante de uma chance histórica para estabelecer um ciclo prolongado de crescimento.

Para que se possa combinar tal momento com um desenvolvimento qualificado, os entrevistados apontam a importância de adoção de novas medidas, que aperfeiçoem ou até mesmo corrijam certas questões das políticas hoje adotadas pelo governo Lula na economia e na área social. Em destaque nas avaliações, a redução das taxas de juros, a adoção de reformas sociais, a construção de uma nova pauta de exportações e de uma efetiva política industrial, assim como o fortalecimento do mercado interno e das políticas sociais. Fatores que, sobretudo se trabalhados de forma articulada, surgem como essenciais para as transformações de que o Brasil precisa.

Na avaliação de Pochmann, o país se vê diante, hoje, de “uma oportunidade praticamente inédita para que as desigualdades sociais e a pobreza, assim como as discrepâncias que existem em termos de competição e de produtividade do Brasil em relação ao mundo, sejam muito menores do que as atualmente verificadas”.

Além de Pochmann e Artur Henrique, Carta Maior entrevistou os professores Luiz Carlos Bresser-Pereira (Fundação Getúlio Vargas) e Waldir Quadros (Unicamp), assim como os presidentes dos sindicatos dos Metalúrgicos do ABC, Sérgio Nobre (eleito em abril), e dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região, Luiz Cláudio Marcolino. Edson Carneiro, da Intersindical, também registrou sua opinião sobre os temas. Até o fechamento do texto, o dirigente da Conlutas e servidor da Nossa Caixa, Dirceu Travesso, às voltas com uma demissão de caráter eminentemente político por parte do governo Serra em São Paulo, não havia respondido por e-mail às questões enviadas pela reportagem.

O especial “Trabalho e Renda” leva ao ar na quarta-feira (21) a entrevista completa com Pochmann, ao passo que na segunda-feira da próxima semana (26), serão publicadas as entrevistas com as demais fontes ouvidas na matéria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: